Passados dois anos, trabalhador acumula perdas com a reforma da previdência

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Segundo especialista, maior tempo de contribuição associado às mudanças na fórmula de cálculo dos rendimentos estão entre os principais prejuízos impostos aos contribuintes desde 2019

Santa Cruz do Sul – A Reforma da Previdência entrou em vigor com a publicação da Emenda Constitucional nº 103, em 13 de novembro de 2019, ou seja, há dois anos, e trouxe mudanças importantes para o Regime Geral de Previdência Social. No entanto, há pouco para se comemorar neste segundo aniversário, porque, sob o ponto de vista técnico, ela apresenta um retrocesso de alguns direitos e o enrijecimento das regras para o trabalhador que sonha com a aposentadoria.

Conforme a advogada Gabriela Biguelini, do BVK Advogados, entre as principais mudanças estão a obrigatoriedade de idade mínima para se aposentar, as regras de transição para o trabalhador ativo e a média de todos os salários recebidos para o cálculo do benefício. “Esta foi a alteração de maior impacto para os segurados que contribuem para o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), e gerou um verdadeiro regresso dos direitos previdenciários, visto que alterou significativamente as regras para aquisição de benefícios”, destaca a advogada.

Gabriela que é especialista em Direito Previdenciário explica que a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e de 62 anos para aposentadoria de mulheres, e as novas formas de cálculo dos benefícios foram as alterações mais relevantes para os beneficiários. “Com elas, o brasileiro será obrigado a atuar por mais tempo no mercado de trabalho e, provavelmente, receberá um benefício com valor menor”, revela.

A especialista explica que a Reforma da Previdência não trouxe benefícios para os segurados. Pelo contrário, os trabalhadores estão tendo severas desvantagens com as mudanças. “Mesmo que alguns efeitos vão acontecer a longo prazo, é importante ressaltar que, na prática, as novas regras vêm ocasionando uma redução considerável no valor dos benefícios previdenciários e, com isso, diminuindo o poder de compra dos beneficiários justamente no momento em que suas despesas pessoais costumam aumentar em razão do avanço da idade ou da presença de enfermidades”, pontua Gabriela.

Os segurados do INSS precisam ficar atentos aos critérios para a concessão da aposentadoria, assim como ao seu histórico de contribuição. Diante desse cenário é importante analisar quem tem direito adquirido e pode se aposentar pela regra antiga, anterior à Reforma da Previdência, por exemplo.

Gabriela também chama atenção dos aposentados por invalidez.  “Quem recebe benefício por incapacidade permanente também deve permanecer vigilante, já que a Reforma da Previdência estabeleceu a possibilidade da realização do chamado ‘pente-fino’ a qualquer momento”, alerta.

Leia também